Astrologia > Tarô das Bruxas

Tarô das Bruxas


A Bruxaria era a antiga fé dos povos celtas. Como uma religião, ela possui determinados símbolos e ritos particulares. Parte da experiência religiosa das bruxas, as sacerdotisas da Bruxaria, é vivenciada em outras religiões da terra. Na Bruxaria não existem dogmas ou sacerdotes profissionais, sua espiritualidade está sempre em movimento e renovação. A Bruxaria procura ficar aberta a outras influências culturais para adaptações.

O Tarô nasceu na França por volta do século XIV e sua construção segue ao simbolismo Judaico-Cristão. Embora suas 78 cartas (22 Arcanos Maiores e 56 Arcanos Menores) transcendam a qualquer aspecto cultural ou religioso, é notável a influência patriarcal e excessivamente masculina em suas cartas. O Tarô das Bruxas se diferencia, pois é uma adaptação mais feminina e sensível. Ele inicia e termina com uma figura feminina. Toda a simbologia e os materiais e ferramentas usados na Bruxaria aparecem ali. Ele constrói de uma forma toda especial, por aquelas pessoas que possuem profundos conhecimentos sobre os maiores enigmas da Bruxaria e revela ao público o necessário para o trabalho mágico.



O Tarô das Bruxas contém 22 cartas (Arcanos Maiores). Sua forma é matriarcal, animista (atribui aos elementos do cosmos) e encaminha para uma espiritualidade voltada para o nosso planeta. Contudo, isso não impede uma leitura pessoal, já que os símbolos são manifestações de arquétipos universais. Pode ser usado como qualquer Tarô tradicional (Marselha, Egípcio e etc...). Neste oráculo, a leitura pode ser feita de maneira simples e objetiva, desvendando os mistérios do inconsciente e revelando soluções para problemas obscuros e controversos do dia a dia ou da vida.

O Tarô das Bruxas é constituído das seguintes cartas:



I. A Bruxa: Fecundidade, vitalidade, poder e resistência sobre as enfermidades e notícias agradáveis.
II. A Sacerdotisa: Mistério, sabedoria ancestral, poder sobre o destino e revelações.
III. A Imperatriz: Compreensão, domínio, fortuna, oportunidades, recompensas e capacidade de penetrar na alma dos seres.
IV. O Imperador: Fortaleza, realização dos desejos ocultos, proteção de amigo que pode ser oculto, atitudes corretas levarão a vitória.
V. O Sumo-Sacerdote: Afetos sólidos, maturidade emocional e a surgimento de um fato positivo e inesperado.
VI. Os Enamorados: Amor, união, fortuna espiritual e reconciliação.
VII. O Carro: Avanço, mobilidade estratégica e peregrinação.
VIII. A Justiça: Estabilidade, intuição, lógica que destruirá a dúvida, momentos agradáveis e esforços gratificados.
IX. A Eremita: Austeridade, concentração e meditação.
X. A Roda da Fortuna: Presença de espírito, sagacidade, amigo fiel e leal.
XI. A Força: Potência de alma, lucro, proteção, amizade com pessoas de valor e viagem.
XII. O Sacrificado: Esquecimento de si mesmo para fins altruístas, abandono do passado, encontro de algo perdido e descobrimento inesperado.
XIII. A Morte: Renovação, desapego e algo importante sendo ocultado.
XIV. A Temperança: Felicidade, despertar e notícias de lugar distante.
XV. O Diabo: Transformação, mudança, êxito em ações futuras e conquistas.
XVI. A Torre: Desconfiança, perigo em insistir em determinada direção e sinal ou intuição não levados em conta.
XVII. A Estrela: Influência e entrega de coisas sadias, confiança no destino, ganhos inesperados e agradáveis.
XVIII. A Lua: Perda da realidade, imaginação mal direcionada e objetivos mal definidos.
XIX. O Sol: Clareza de objetivos, caminhos e decisões iluminadas, e o alcance dos desejos.
XX. O Julgamento: Sorte, equilíbrio e inspiração.
XXI. O Mundo: Êxito, recompensas, beleza e sedução.
XXII. A Louca: Paz, o bem triunfando sobre o mal.